Apoio à Ocupação Povo Sem Medo e à luta por moradia

 

 

Carlos Giannazi participou, na última terça-feira (31/10), da manifestação dos movimentos sociais de habitação que fizeram uma marcha de 23 km do ABC até o palácio dos Bandeirantes, reivindicando investimento na área da habitação popular. Ele foi um dos integrantes da comitiva recebida pelo secretário Rodrigo Garcia e pelo chefe da Casa Civil, Samuel Moreira, para debater o caso da Ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo, que já reúne 8 mil famílias acampadas.

“Ficaram muito claras para nós a omissão e a negligência do Estado na política habitacional. O Brasil vive uma crise econômica sem precedentes, com 14 milhões de desempregados. Essas pessoas não conseguem mais pagar aluguel”, lamentou Giannazi, repudiando a negativa dos secretários em relação à desapropriação do imóvel. “É impossível que não haja 30 milhões para a desapropriação daquele terreno, se a Secretaria da Habitação e a CDHU têm um orçamento de 3,1 bilhões.” Por isso, o deputado apresentou Projeto de Lei (PL 1004/2017), para que o terreno seja desapropriado e declarado de interesse social, para destinar-se à construção de moradias.

Ele destacou que a ocupação da área é legítima e conta com o apoio de vários setores da sociedade. Também condenou a postura “fascista, preconceituosa e autoritária do prefeito São Bernardo do Campo, Orlando Morando”, que se recusou a dialogar com o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e ingressou com medida judicial para impedir o show em solidariedade que seria feito por Caetano Veloso em 30/10. O evento foi convertido em um ato, que contou com a participação de artistas apoiadores como Emicida, Criolo, Sônia Braga, Alinne Moraes, Letícia Sabatella e Marina Person.